Copo de café feito de batata se decompõe em 3 meses

Descartáveis usados para bebidas quentes, bem como as tampas que os acompanham, não são adequados para a reciclagem. Por isso a empresa britânica Biome Bioplastics desenvolveu um copo de café feito de fontes naturais e renováveis, como fécula de batata e amido de milho.

Eles são tão resistentes ao calor e ao uso quanto os copos comuns, afirma o fabricante. Além de serem recicláveis, também podem ser descartados como lixo orgânico. Em condições adequadas de compostagem, degradam-se em três meses, virando água e dióxido de carbono.

                                   Copo de café feito de batata é resistente ao calor.
                                 

Segundo a empresa, 2,5 bilhões de copos descartáveis são usados, anualmente, no Reino Unido, contribuindo para o grande volume de resíduos que vão parar nos aterros.

Eles são feitos de isopor ou recebem uma camada de plástico que não permite o reaproveitamento. As tampas desses copinhos, por exemplo, são feitas de poliestireno e difíceis de reciclar.

Durante cinco anos, a empresa realizou pesquisas até desenvolver uma linha de biopolímeros baseados em fontes renováveis e naturais, como amido de plantas e celulose.

Com isso, a empresa quer produzir bioplásticos que mudem a realidade atual, onde os polímeros à base de petróleo ainda predominam.

                 A empresa desenvolveu bioplásticos feitos com plantas e celulose. 

Uma pesquisa de opinião encomendada pela Biome Plastics mostrou que dois terços das pessoas gostariam que copos e tampas dos cafés que compram “para viagem” fossem feitos de forma sustentável, e 53% comprariam de lojas que usassem copos biodegradáveis.

Um terço dos entrevistados disse que evita comprar produtos “para viagem” por causa do custo para o meio ambiente, e mais de 60% acreditavam que plásticos feitos à base de plantas eram melhores que os oriundos do petróleo.
Com suas pesquisas e produtos, a empresa acredita que está trazendo soluções para donos de cafés cientes da crescente preocupação que seus consumidores têm com temas ambientais.

Fotos: Divulgação
→ Os temas publicados neste blog são de curadoria do presidente e CEO da GranBio, Bernardo Gradin.

Você também pode querer ler